SILVIO SANO > Nipônica: O karaokê e eu

Meu convívio com o karaokê, apesar de já durar quase dezoito anos, se comparado com os autênticos frequentadores, é muito recente. Como referência está o próprio Brasileirão (ABRAC) que ocorre nesta semana, em Suzano, e já está em sua 32ª edição. Acha pouco? O que dizer então do Zenpaku que é realizado desde 1952, ou na 65ª edição?

É direto, sem interrupção, mais devido à minha esposa que canta, e suficiente para já identificar as feras do meio. Se bem que, pelo que também percebi, nessa condição de sem interrupção, existem muitos e bem mais antigos do que eu.

Mas para muitos o karaokê é também cíclico por razões diversas como estudos (faculdade), casórios, filhos, etc., o que faz com que, depois de “longo e tenebroso inverno” alguns acabem retornando e até criando a categoria dos surpreendentes “jurassics”! Surpreendentes porque, aos que não os conheciam, como eu, reaparecem arrasando!.

Sem contar os jovens casados que retornam e já trazendo os filhos para também cantarem, o que é bom para a preservação desse boom do karaokê, positivo à introspectiva comunidade nipo-brasileira e ao já consagrado ambiente saudável.

No começo, quando era um simples carregador de malas de minha cantora favorita, ou seja, sem nem mesmo cantar, apenas pela convivência fiz um sem número de amizades. Hoje, cada vez que vou a um taikai me sinto como político em época de campanhas, cumprimentando a quase todos os presentes. E não com mesmo espírito daquele, mas porque o ambiente familiar do karaokê nos leva a isso.

Mas como não nasci para só carregar malas, de tanto ouvir que muitos não entendiam o que cantavam, para unir o útil ao agradável, comecei a compor versões em português de músicas japonesas. Daí, para divulga-las, comecei eu mesmo a cantá-las na categoria Internacional, até descobrir que havia também a Vale-Tudo e, por culpa da Lúcia Ikawa, debutei como Louis Armstrong, na cor e no pistão! Azar do karaokê… rsrs.

Se bem que, para alguns, não foi tão ruim porque… “quebra o gelo e a tensão da competição!”

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

    Related Post

    JORGE NAGAO: GAIOLA SF Nos anos 80, era moda entre a moçada, viajar pelo Rio São Francisco, o Velho Chico, durante dez dias, dormindo na rede. O gaiola, como é chamada a emb...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: FÉRIAS TRABALHISTAS, AQUI ... Minha primeira ida ao Japão foi na condição de bolsista-estagiário pela província de Mie, terra natal de meu pai. Isso, há muito... muito tempo... rsr...
    JORGE NAGAO: Novelha, Carnavalério e Painho NOVELHA     Era uma vez uma velha biblioteca no centro velho, onde a velhice era visível. O diretor era velho, a faxineira era ve...
    AKIRA SAITO: NO SEN “Uma ação eficaz é aquela que traz a plenitude do resultado”   Quando iniciamos o treinamento no Budô (Caminho Marcial) aprendemos a entender...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *