SILVIO SANO: NIPONICA: O meio faz o homem

 

Por esses dias, assisti a uma reportagem sobre o Japão que me remeteu a uma Nipônica que escrevi há muitos anos, que deu título a uma antologia na qual as condensei e… bem como, a esta, outra vez: O Meio Faz o Homem.

 

 

Naquela, em 1996, contei sobre o bem que o Japão fazia, não apenas financeiramente, aos nipo-brasileiros que para lá se dirigiam, como dekasseguis. Baseado no mau exemplo de um prefeito de São Paulo (Paulo Maluf) que fora flagrado jogando ao chão o papel do sorvete, que acabara de chupar, citei o caso dos brasileiros no Japão, em mesma situação, mas diante de cidades perfeitamente limpas, em que “aprenderam” a guardar esses papéis nos bolsos ou manter garrafas vazias nas mãos até encontrarem lixeiras!

Isso, já seria suficiente para justificar o título, mas fui adiante para buscar a cena de um amigo japonês que viera me visitar no Brasil quando, em certo momento do tour de carro que fazia com ele,em plena AV. Paulista, resolveu abrir a janela para jogar o pacote vazio de cigarros…

— Ei, ei! Que vai fazer? — perguntei-lhe, tentando impedi-lo — Você é japonês!

— Eu sei. Mas estamos no Brasil. Aqui pode! — respondeu-me com um sorriso maroto, indicando que, provavelmente, matava enorme vontade… de toda a vida dele!

Pois bem. A reportagem fazia referência a um escândalo que vinha ocorrendo naquele país, de que os japoneses vinham sendo enganados na questão da alimentação, em hotéis de luxo, restaurantes badalados ou mesmo nas tradicionais lojas de departamento. Suco de laranja feito na hora… de caixinha; camarão, miúdo, vindo das Filipinas; bife preparado com carne processada, com gordura, para ficar mais macio, etc.

Como assim?, perguntaríamos nós, ocidentais, acostumados com a fama de honestidade daquele povo. Pois é, já estou desconfiando que o contexto de meu título logo se perderá no tempo devido à globalização. Como aprenderam tão rápido a usar esses “jeitinhos” para lucrarem? Pegos, os responsáveis até mostraram um pouco do que conhecemos deles, pedindo desculpas… “do fundo do coração!”

Mas agora, quem acredita? O locutor, que completou a matéria informando que a indenização lhes custaria mais de US$ 1 milhão, finalizou ironizando: “Tomara que, pelo menos, o dinheiro não seja falso”.

 

Não é do lugar

Que depende a postura,

Mas da formação

 

 

Silvio Sano

é arquiteto e escritor. E-mail: silviossam@gmail.com

 

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

SILVIO SANO: Ainda uma longa estrada… Qualquer saída do lugar em que se nasce, seja como for, sempre é valiosíssima porque, no mínimo, contribui para o engrandecimento pessoal, mesmo que n...
MUNDO VIRTUAL: Podem retirar o meu direito de ace... Volto ao tema que anteriormente já abordei aqui, porque o assunto ainda não foi resolvido em definitivo, e porque há poucos dias o ministro das Comuni...
AKIRA SAITO: O BUDÔ COMO FERRAMENTA SOCIAL “Mais do que uma Arte de Guerra, uma Arte para engrandecimento do homem”   No Budô (Caminho Marcial) em seus primórdios, as artes que compunh...
MEMAI: ENVIE UMA BALEIA DE ORIGAMI   Por Marília Kubota     Desde 2009, o grupo ambientalista Greenpeace criou uma campanha para protestar contra a caça à...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *