SILVIO SANO > NIPÔNICA: Os donos das calçadas

Moro a 150 metros de uma estação do metrô, razão pela qual faço muito uso desse transporte e que, por isso cumpro o percurso a pé. Se bem que, mesmo que fosse mais distante, o faria do mesmo jeito dentro do que me propus, depois de certa idade, de fazer caminhadas.

Mas essa observação não fará nenhuma diferença ao que vou abordar, visto que se trata de algo que ocorre por todo país, que são as cada vez mais abusadas invasões nas calçadas, de mesas, cadeiras… e bebuns “jogando conversa fora” à frente dos bares! E que nada tenho contra!!… antes que comece a “gritaiada”! Pelo contrário, 40 anos atrás… ops!, tempos atrás… com minha deusa, já jogávamos conversa fora na Av. Ibirapuera, muito badalada na época. Mesmo esquema, nas partes externas dos bares, mas sem invasão de calçadas, sem atrapalhar o direito de ir e vir dos pedestres.

Minha referência no primeiro parágrafo é devido a em tão curta distância e calçada estreita, apesar de avenida, ter tantos bares, de modo que, naqueles trechos, nos momentos de happy hour, os pedestres ficarem sujeitos a levar “riscadas” de algum veículo que passe rasante. Né, não?! Três bares!!… em apenas 50 metros porque os outros 100 são de domínio da estação.

Trouxe o assunto porque, por esses dias, em local diferente, situação idêntica voltou a ocorrer comigo por essas indevidas ocupações de calçada. E tive de sair à rua por duas vezes! Na primeira, devido ao ponto final de uma empresa de ônibus e um banco de madeira colocado sobre a estreita calçada. Com pessoas batendo papo ali, obstruindo a passagem, tive de sair à rua para seguir meu caminho. Logo em seguida, uma cabine de segurança da mesma empresa, dessas de fibra de vidro, que também ocupava a calçada levou-me de volta à rua. De tão banais, hoje, simplesmente, contornamos… o problema.

Mas na hora, lógico, fui remetido ao Japão, onde… como os chatos dos japoneses não sabem jogar conversa fora e onde não se permite ocupação indevida das calçadas (onde as têm… rsrs), nunca passei por isso. Fazer o quê, né…

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

    Related Post

    ERIKA TAMURA: Pavilhão Cultural na Embaixada do Br...   No dia 25 de março, fui convidada para um jantar na casa do Embaixador do Brasil no Japão, André Corrêa do Lago. O jantar era uma confratern...
    AKIRA SAITO: O PODER DE ENSINAR   “Aquele que busca ensinar através de seus exemplos na prática, jamais deixará de aprender”     Na língua japonesa chama-se de...
    CANTO DO BACURI > Mari Satake: Vida que vem, Vida ... A pequena chegou e enquanto abraçava a tia, perguntou: - você sabia que eu vou ganhar um irmãozinho? Apontando o dedo para cima, repetia: - vou ganhar...
    CANTO DO BACURI > Mari Satake: De volta à barbárie... Carnaval, ainda não chegou, mas o gestor, já cumpriu uma de suas promessas. Deu de presente na data em que se comemora o aniversário da cidade. Au...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *