SILVIO SANO > NIPÔNICA: Pókemon Going to Prêmio Ignobel?

Apesar de criado em 1991, muita gente não o conhece… ou não sabe bem o que é esse Prêmio Ignobel. E quem já ouviu falar, acha que se trata apenas de uma brincadeira satirizando o respeitadíssimo Prêmio Nobel. E é… na origem!  Mas também sério (humn, humn… rsrs) com até cerimônia de premiação que ocorre, todos os anos, em setembro, na Universidade de Harvard. Ao menos, o lema é: “primeiro fazer as pessoas rirem para, depois, pensarem“.

Esse prêmio às pesquisas “que não podem ou não devem ser reproduzidas“, foi criado por Marc Abrahams e pesquisadores da Harvard e do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts). O prêmio é de dez trilhões de dólares… zimbabuanos, mais um troféu.

No primeiro ano, o destaque foi ao da Literatura, dado a Erich Von Danikken (Eram Os Deuses Astronautas?). Anos depois, em 1996, o de Física foi para Robert Mathew por conduzir estudos relativos à Lei de Murphy, demonstrando que “o pão, na maioria das vezes, cai com o lado da manteiga virado para baixo”. Em 1997 destaco o da Economia, aos criadores do Tamagotchi, Akihiro Yokoi, da empresa Wiz e Aki Maita, da empresa Bandai, por terem “desviado milhões de horas de trabalho para se cuidar de bichinhos virtuais”.

Para não me estender em alguns contemplados e encerrar essas ilustrações, ao deste ano, destaco o de Medicina, aos alemães Christoph Helmchen, Carina Palzer, Thomas Münte, Silke Anders e Andreas Sprenger por descobrirem que, “caso você tenha uma coceira no lado esquerdo do corpo, pode se livrar disso usando um espelho e coçando o lado direito – e vice-versa”.

Por isso sempre concordei com o lema. Isto é, até premiarem o inventor do Karaokê, Daisuke Inoue, em 2004, como o da Paz, “por proporcionar uma maneira inteiramente nova de as pessoas aprenderem a se tolerar umas às outras”… no que não concordei. Até porque levou 33 anos para ser premiado (Inoue o inventou em 1971). Sem contar que, 45 anos depois, ainda é muito popular no mundo todo e… muito reproduzido!

Até escrevi a respeito quando foi anunciada essa premiação e dei, lá, minhas razões que não cabem aqui agora, visto que resolvi abordar o assunto por outra razão, a uma invenção que, aí, sim, mereceria esse galardão… em minha opinião, bem entendido… e que o título desta já deu a dica: Pókemon Go!!

Pois é, a razão está nas informações de que esse aplicativo para smartphone, tão logo foi lançado nos EUA, no dia 6 de julho, foi o mais baixado entre usuários de iPhone, atingindo logo a liderança, mas a partir do dia 25 de julho já começou a apresentar queda e chegando, agora, 3 meses depois, à 75ª posição. No Brasil não foi diferente, quando estreou em 3 de agosto e se manteve na liderança até 16 do mesmo mês. Hoje está na 70ª colocação!

Merece ou não o Ignobel?

Pena que ao deste ano não há mais tempo porque o anúncio aos contemplados deste ano já foi feito e a premiação ocorreu no dia 22 de setembro naquela universidade. Se bem que, se Inoue levou 33 anos para sê-lo, ainda há tempo ao Pókemon Go. Né, não?!

 

Sem premonição,

Mas Pókemon Go indica…

Que faz por merecer!

 

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

    Related Post

    MUNDO VIRTUAL: Boleto falso – uma fraude ca... De longa data o boleto é o instrumento preferido para realização de pagamentos, por facilitar tremendamente a nossa vida, já que através dele são paga...
    SILVIO SANO > NIPONICA: Pescando no Rio Tietê̷...   Nesta semana em que se comemora o dia do Rio Tietê, diversas festividades e atividades, como em todos os anos, estão sendo realizadas em...
    CANTO DO BACURI > Mari Satake: Vai passar       O pai acreditava que um bom jeito de incentivar a leitura dos filhos era tendo jornais em casa. Ele próprio era daqu...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: O freguês sempre tem razão...   ... no Japão! É... porque por aqui, já viu, né. Pois é, quem me acompanha sabe que já escrevi sobre esse tema algumas vezes e que, por ó...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *