SILVIO SANO > NIPÔNICA: Por que não participar das manifestações?

resized_niponica3-14

 

Conforme afirmei na Nipônica anterior à da manifestação do dia 15 de Março, mesmo em meu círculo de amigos tinha um, do tipo “espírito de porco”, que mais parecia querer “fazer a cabeça” dos demais para que não participassem da mesma pela alegação do risco de confronto com black blocs, ao mesmo tempo em que, pra amenizar, afirmava que iria. Mas não foi.

Tipo como ele não é novidade para mim, até porque já vi piores. No caso dele, ainda, o “amenizar”, típico no nikkei, era pra evitar debate mais caloroso… rsrs. Duro mesmo é aguentar aqueles que, para justificarem suas não participações usam aquela desculpa do “esses que vão protestar, fazem mesmas coisas, como passar no sinal vermelho, cantar policial pra não pagar multa, sonegar imposto de renda”, etc., etc.”

É verdade, tem razão e não deveria ser assim. Só que não percebem que essa “geleia geral” ocorre também por culpa dessa omissão deles mesmos. Daí, por conta da impunidade todo mundo acaba cometendo seu pecadinho… Não foi à toa que Martim Luther King afirmou: “O que me preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais me preocupa é o silêncio dos bons.” Aliás, esse sentimento do mudar também a nós mesmos, está presente nas manifestações… Viu?!

Não é difícil. Quando criei a Nipônica, há quase vinte anos, foi também com esse propósito. Por isso estreei com o De Pazinha e Saquinho na Mão, para abordar a postura do cidadão que passeia com seu cão pelas ruas; daí, escrevi o O Meio Faz o Homem para falar da displicência de se jogar lixinhos nas ruas; depois, em Por que a Pressa…?, questionei a razão de se passar no farol vermelho, da filas de carros e das discussões entre motoristas; para, no O Jeitinho Brasileiro!, expor que até tentei “cantar” um policial japonês após flagrado ultrapassando o limite de velocidade numa estrada no Japão. Em todos esses casos, o lado japonês saiu ganhando.

Ou seja, só ajudaremos a “arrumar” este país, conforme nosso ideal, se aproveitarmos bem as oportunidades para expormos nossas indignações com a contundência devida, a fim de tornarmos parceiros… ou cúmplices da formação de uma Nação! Né, não?!

 

Por que se contém

Se está indignado?

Não quer se expor?!

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

     

     

     

    Related Post

    NOTÍCIAS DE LINS: Esposas de executivos japoneses ... As visitantes no interior do Museu (FOTO: divulgação)   Em frente à antiga estação ferroviária (foto: divulgação)     ...
    MEMAI: LITERATURA – QUANDO O IMPERADOR ERA DIVINO... O livro narra uma história de ruptura em uma família nipo-americana formada por um executivo bem sucedido, uma dona de casa típica da classe média ame...
    AKIRA SAITO: BOM SENSO É A RESPOSTA   “Se o cidadão agisse com bom senso, vários dos problemas cotidianos simplesmente não existiriam”   Quantos dos problemas cotidian...
    ERIKA TAMURA: Meu pai, Hiroyuki Tamura O dia dos pais no Japão é comemorado no ter­ceiro domingo de junho, ao contrário do Brasil, que é comemorado em agosto. Acredito que é para os pais nã...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *