SILVIO SANO > Nipônica: Rail Pass e Visto para Yonsei

Aproveitando sua formação em jornalismo, Hiroaki, conseguiu vir ao Brasil trabalhar em uma empresa afim dentro da comunidade, realizar seu sonho de ver o futebol brasileiro de perto, além de poder fazer parte da torcida corintiana, de quem ficou fã ao testemunhar, in loco, a invasão dos torcedores do Timão no Japão, em 2012, na conquista do bicampeonato mundial interclubes.

Como era também um aficionado na história de seu país, estudou-a a fundo… mas, segundo materiais didáticos de que dispunha no país, ou seja, que não se aprofundavam em detalhes sobre as guerras à China e Coréia realizadas por seu país e nem sobre a emigração de japoneses aos EUA, Peru e Brasil. Por isso, ao tomar conhecimento da saga dos mais de cem anos da história da imigração japonesa no Brasil, tornou-se também um admirador da comunidade.

Até por isso, apesar da violência urbana que o assusta, passou a gostar mais do Brasil, bem como, a participar dos eventos da comunidade e a se inteirar de suas dificuldades, o que o possibilitava responder a Mário até sobre questões pertinentes à mesma.

Como, recentemente, quando conversaram sobre a questão do Rail Pass a japoneses que vivem no exterior. Agora o assunto era sobre a dificuldade da liberação de Visto de longa permanência a yonsei, ou quarta geração de descendentes de japoneses no Brasil.

— Como já explicar outro dia, não poder assumir minha opinião a favor nesses casos pra não prejudicar minha permanência em Brasil, onde ainda querer ficar muito tempo, mas poder responder in off… — sorriu, Hiro, antes de prosseguir — Pois é. Depois de conhecer razões de muitos japoneses ter de emigrar, passar a achar que governo japonês ter de dar esses benefícios como reconhecimento pela importância da saída deles para desenvolvimento do Japão naquela época…

Mário que não tinha entendido bem essa explicação quando a ouviu pela primeira vez, quieto, mostrou-se atento para estimulá-lo a explicar novamente.

Hiroaki o atendeu:

— Japão, território pequeno, sem recursos naturais… começo do século passado ter superpopulação com fome e pobreza extr… como falar mesmo?… extrema, devido a gastos nas guerras contra China e Coréia. Governo perdido! Ainda ter promessa de terras a soldados de volta ao país. Então buscar lugar para por sua gente por meio de emigração… e para sucesso usar até propaganda enganosa…

— Tá, Hiro — Mário o interrompeu — Mas o que tem a ver com Rail Pass e o Visto a yonsei?

— Ora, Mário-san. Se governo japonês reconhecer importância a emigrantes da época, eu ainda achar isso pouco a descendentes. Atarimae janai?… — saiu no ímpeto do momento — Desculpe, Mário… querer dizer algo como… óbvio. Poder até colocar restrições a Visto, mas não impedir de vez. Como Rail Pass que poderia dar a japoneses que vieram até último navio… final de anos 70. Hoje, pouca gente viva. Nem ser nada para governo japonês! Agora, reconhecimento, sim, importante.

— Ah! Entendi e concordo. Toque aqui, Hiro! — Mário apertou-lhe a mão.

 

Rail Pass e Visto

São nada perto do que

Foi esse “Alívio”.

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

    Related Post

    ERIKA TAMURA: Vou-me embora pra Pasárgada Hoje estava aqui pensando com os meus botões, lembrei do poema de Manuel Bandeira que diz:" Vou-me embora pra Pasárgada...", e de repente senti um...
    ERIKA TAMURA: Você sabe o que é gaman? Quase todos os dias, recebo e-mail de leitores me perguntando qual é o segredo do povo japonês para se reerguerem. Afinal, o Japão é exemplo de reco...
    AKIRA SAITO: Viva bem – Mexa-se!!!!! “Mais do que se preocupar apenas com a estética do corpo, devemos buscar o equilíbrio e a saúde física e mental.” Todos sabem que o exercício físico ...
    JOJOSCOPE: Emi Ogawa em versão Mix   Lembram da cantora Emi Ogawa, que veio apresentar o programa Vamos Cantar em Japonês, da NHK World Radio Japão , em abril deste ano? Ela ...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *