SILVIO SANO > NIPÔNICA: Rail Pass, um DIREITO… parte 2

Pois é, achava que pela obviedade… do DIREITO!, o assunto se esgotaria na Nipônica anterior… mas em consideração às quase quatro dezenas de leitores… e que leitores!, que enviaram mensagens de apoio, parecendo mesmo uma cruzada, inclusive da parte de Junji Abe, ex- prefeito de Mogi das Cruzes e ex-deputado federal, que até sugeriu acionarmos todos os parlamentares nikkeis, incluindo edis, e chegarmos ao Itamaraty, via Ministro Serra, achei por bem retomá-lo e reforçar mais o objetivo.

Houve uma opinião contrária, apenas uma, mas sem me surpreender pelo autor da mesma. Surpresa foi ter apenas uma. No caso daquela, consolidada pela fragilidade de argumentos. Como iniciou afirmando que não tinha intenção de polemizar à qual, após ler seus argumentos afirmei que tinha sim, alegando que eu não aceitava opiniões contrárias, pediu-me para que o retirasse de meu mailing. Queria provas sobre minha afirmação de que o governo “empurrara” os emigrantes para fora, mesmo lendo (?) que, à época, o país tinha já superpopulação, território ínfimo, pobreza extrema e tendo de cumprir promessas de compensações aos retornados de guerra… além da “indireta” (?) da árvore dos frutos de ouro (café). Isto é História, não minha afirmação! Com muita satisfação retirei-o do mailing.

Mas satisfação maior foi ler as mensagens de todos os demais, sem exceção. Mesmo dos que escreveram um simples “conte comigo”. Aliás, senti isso de todos, mesmo dos que escreveram muitas linhas… rsrs.

Tinha mensagens de indignação e perplexidade em relação ao governo japonês; mas também de compreensão pela situação econômica atual do Japão; de indiferença, pela alegação de que restam poucos vivos dentre esses de DIREITO; de mais abrangência, como às bolsas de estudos que vem sendo reduzidas gradativamente; de esclarecimento dos direito ao passe, atualmente; e uma, de que a medida fora suspensa temporariamente, até as Olimpíadas de Tokyo (2020), anunciado pelo Cônsul Nakamae no Shinnenkai do Bunkyo!

Pois bem, pela evidência… para mim… rsrs, como não haveria mais a acrescentar tentarei, então, reforçar, baseado no número de “nossos japoneses” ainda vivos e na medida suspensa até as Olimpíadas. À questão das bolsas de estudos, por exemplo, também poderia ser contemplada pelas mesmas razões, mas deixemos de lado, por enquanto.

De que se trata de DIREITO não tenho dúvida! O fato de a medida estar suspensa não afeta em nada visto que, se hoje o número já é pequeno imagine em 2020!

Por isso, o teor real de meu artigo visa, na verdade, o reconhecimento do governo japonês em relação à TAMBÈM contribuição de seus emigrantes para a situação que ora o país usufrui perante o mundo, em todas as áreas. A questão da nau sem rumo foi verdade. Na situação que estavam não tinham como direcionar o país ao desenvolvimento. A saída dos emigrantes foi um alívio! Isto têm de reconhecer! O Rail Pass a esses poucos restantes é NADA em relação ao que proporcionaram ao Japão atual. Simples, assim!

Tomara que essa cruzada se concretize segundo a sugestão de Junji Abe. Apoio popular, pelo visto, há! Né, não?!

 

Políticos nikkeis

E entidades afins

Vamos nos mexer?!

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

    Related Post

    CANTO DO BACURI: Keirokai   Naquela manhã, Conceição se levantou bem cedinho, arrumou-se com o maior esmero e pediu à empregada que lhe preparasse um café ultra, hi...
    ERIKA TAMURA: Mais uma vez Brasil… Depois de seis meses estou de volta ao Brasil. Com todos os problemas atuais não deixa de ser o meu país. Amo o Japão, mas voltar ao Brasil, se...
    ERIKA TAMURA: Vou para o Japão ou fico no Brasil? Sempre acompanho as notícias do Brasil, pois me interesso por economia e política brasileira, tenho notado que o desemprego vem aumentando e conse...
    JOJOSCOPE: Washoku – indicado pela Unesco co... O ano de 2013 foi um marco para a Culinária Japonesa. Ela foi reconhecida como Patrimônio Cultural Intangível, pela Unesco, em decisão tomada no Azerb...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *