SILVIO SANO > NIPÔNICA: Senpai/ Kouhai? Hai… Hai!

Desde que fui ao Japão pela primeira vez, a parte da relação humana “praticada” naquele país que mais me marcou foi a do Senpai/ Kouhai. Antes, porém, preciso traduzir esses verbetes.

O primeiro significa sênior, mais velho; o outro, júnior, mais novo. Ou, no caso em questão, mais precisamente, a relação veterano/calouro, como a que passamos no acesso à faculdade!

A nós, do Brasil, só nos vêm essa associação porque o “trote” que os veteranos dão aos calouros é marcante e afora esse período essa relação praticamente inexiste no Brasil!

Não no Japão! Lá, de tão forte, já começa na pré-escola. Aliás, para mim, o maior causador do Bullyng naquele país. Na verdade, vem desde casa, da relação entre irmãos. E é forte! Por exemplo, quando o irmão mais velho se casa e sua mulher é mais nova que o irmão logo abaixo, este, a partir daí, terá de trata-la com o mesmo “respeito” dado aos mais velhos. Por isso, de novo em minha opinião, a razão da relação familiar de lá não ser tão “familiar” como aqui. Mas isto é outra história.

Este rodeio foi apenas porque, por esses dias, ao conversar com dois japoneses vindos ao Brasil por conta própria, em momentos diferentes, e que não se conhecem, fui remetido a essa relação marcante que tive naquele país.

Um deles está no Brasil há sete anos e pretende ficar definitivamente; a outra há três, ainda na dúvida, mas já propensa a também ficar. À minha inevitável pergunta sobre as impressões deles do Brasil que os faziam desejar ficar, responderam-me o óbvio: porque gostavam do país!

Mesmo com toda essa violência urbana?” (que estavam a par), prossegui. “Sim!”, foram suas respostas. Então, arrisquei: “Não seria porque não temos a relação Senpai/ Kouhai?” Pegos de surpresa, mas como se tivessem feito uma grande descoberta, responderam-me: “Soudesune… (Pode ser, né…)”.

E me remeteram a outro amigo japonês, que veio ao Brasil há cerca de trinta anos, de quem pela primeira vez ouvi essa possibilidade: “Gosto daqui, porque posso tratar meu chefe de maneira informal, sem desrespeitá-lo hierarquicamente”.

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

     

    Related Post

    GASTRONOMIA: Em busca da popularização da cultura ...   Sobre o macarrão e a sopa   A culinária baseia-se em um tripé. Por mais habilidoso que seja o cozinheiro, não se pode fazer um prato ...
    AKIRA SAITO: TER FÉ Este texto creio que cabe perfeitamente para esta semana, apesar dele ter sido publicado em Outubro de 2013.   “Alguns possuem a capacidade d...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: As sombras do m...   Certa vez li de Carl Gustav Jung, aquele da psicologia analítica, de que para entender a mente humana e seus dilemas, ao invés de recorr...
    JORGE NAGAO: Um nihondim em BH e Inhotim BH A  caravana Damas&Valetes  (Leonel, Marcílio/Mônica, Marilena e eu – Maria Balé, dodói, e Vivina, em compromisso familiar, não puderam ir) f...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *