SILVIO SANO > NIPÔNICA: Uma caminhada proveitosa, dependendo do olhar

niponica3-35

 

Devido à vida sedentária atual, costumo me provocar a, sempre, fazer caminhadas. Por exemplo, para comprar remédios. Apesar de existir uma farmácia perto de casa, vou compra-los em outra a mais de dois quilômetros de distância, só para… caminhar! Até ao Festival do Japão, que fica a três, já fui. E não para economizar porque tenho passe livre no Metrô.

A vantagem de também se fazer esse tipo de caminhada, ao menos para mim, é que vou observando o entorno… e as pessoas, conforme mostro nessa ilustração que desenhei há mais de quarenta anos! Exatamente por isso trago o assunto, consequência da última que fiz.

Como necessitava tirar dezenas de cópias, daí sim, para economizar, resolvi fazê-las, via copiadora. Novamente, tinha uma papelaria perto de casa, mas preferi ir à outra, a quase um quilômetro de distância.

Logo ao fechar o portão de casa, já vi o lixo do restaurante, à frente, todo aberto e espalhado pela calçada por algum mendigo… porque fora deixado lá no dia anterior ao da coleta. Alguém estranhou isso? Prosseguindo, vi, na saída da rua que dá para uma avenida, um vizinho, com seu carro, tentando entrar nela… com muita dificuldade porque, hoje em dia, poucos motoristas fazem a gentileza de dar passagem.

Segui em frente, não sem antes desviar de outro lixo mal colocado na calçada e de um buraco… antigo, na mesma. Resolvi atravessar a avenida pela passarela de pedestre. Deveria ter sido fácil não fosse pelos espertinhos que sempre aproveitam o sinal ainda amarelo.

No caminho, um pessoal da subprefeitura tapava dois buracos com asfalto, mas cinco metros mais à frente tinha outro, e cheio de água suja. Por culpa de nosso passado, fui maldoso. “Só falta irem embora, sem taparem este; verificarei na volta”, pensei com meus botões. Adivinhem!

Na copiadora, um cartaz anunciava que o preço por cópia era R$ 0,20… e R$ 0,15 cada a partir de 50 cópias… e com letras bem pequeninas, “por original”, o que não era o meu caso, apesar de meu total de 60. Paguei R$ 0,20!

Isso, só na ida! Na volta teve mais flagrantes de nossa realidade, mas em vez de descrevê-los, prefiro sugerir para que façam o mesmo… com os mesmos olhos!

 

Prestou atenção

No quão rico é seu entorno?

Mude seu olhar!

 

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

     

    Related Post

    AKIRA SAITO: Fibra para vencer   “Alguns tentam e por não conseguir reclamam, mas para ser um vencedor, apenas tentar e reclamar nunca será suficiente.” Para ser um vencedor,...
    JORGE NAGAO: O Hino Nacional Brasileiro   Há uns dez anos, Barrichello estava no pódio quando ouviu os primeiros acordes de um hino que lhe pareceu familiar. Cutucou o Schumacker e p...
    ERIKA TAMURA: Meu mês de novembro no Brasil Apesar de estar no Japão, hoje quero escrever sobre a minha curta, mas proveitosa passagem pelo Brasil. Foi um mês muito intenso, onde cumpri uma a...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Brasileirão Internacional ... Alguns leitores da comunidade acham que costumo “pegar nos pés” de pessoas ou instituições. Não concordo. Aliás, já provei estatisticamente que não é ...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *