TÊNIS DE MESA: Aos 45, Hoyama constrói carreira vitoriosa também como treinador

 

Hugo Hoyama, o maior mesa-tenista da história do esporte no Brasil, comemorou 45 anos na última sexta-feira (9). O presente veio de forma antecipada, ainda no Japão, com a equipe feminina formada por Jéssica Yamada, Caroline Kumahara, Ligia Silva e a chinesa naturalizada brasileira Gui Lin, que conquistaram o acesso à Primeira Divisão e, de quebra, o título da Segunda Divisão no Campeonato Mundial por Equipes do Japão. A campanha emocionou até mesmo quem está acostumado a vitórias.

 

Como técnico, comandou as meninas a inédita vaga para a Primeira Divisão (foto: divulgação)

 

Atleta consagrado e até hoje lembrado por seus feitos, como a participaçãoem seis Jogos Olímpicose a conquista de 10 medalhas de ouroem Jogos Pan-Americanos, Hoyama reviveu seus dias de glória no esporte.

“Tive o prazer de conquistar esse título como jogador, em 2004. E posso assegurar que a emoção não foi diferente”, admitiu Hoyama em entrevista ao Jornal Nippak. Segundo ele, o acesso para a elite e depois o título da 2ª Divisão foi fruto de muito trabalho, mas os resultados surpreenderam. “Fiquei um pouco surpreso sim. Acreditava que poderíamos conseguir bons resultados, mas assim foi melhor, isto é, sem ficar com grandes esperanças desses resultados. O desempenho, eu esperava sim, pois vínhamos de dois resultados bons, apesar de outro nível, mas sempre participar de competições após conquistas, dá mais motivação com certeza”, disse Hoyama, que aponta a união como um dos fatores do sucesso no Japão.

 

Como atleta, Hoyama participou de seis Olimpiadas e conquistou 10 medalhas de ouro em Jogos Panamericanos (foto: Divulgação)

 

 

Experiência – “Nos momentos difíceis, uma dava força para outra. Acredito que isso ajudou muito nessas conquistas. Cada atleta venceu a maioria de seus jogos. Foi muito importante também os resultados da Gui Lin, participando pela primeira vez dessa competição, jogando mais relaxada, sem a preocupação normal que ela tinha em pensar que teria que mostrar porque estava na seleção. Disse à ela que não precisava demonstrar nada, somente jogar tranquila e com confiança. Carol, demonstrou que é muito importante para a equipe, jogou bem regular, e terminou a competição com uma grande vitória sobre a sueca. A Lígia, desde o Latino, jogou muito segura também, vencendo pontos importantes. A Jéssica, também ajudou a equipe quando jogou”, avaliou Hoyama.

Paulista de São Bernardo do Campo, Hoyama explica que um dos momentos mais difíceis foi a semifinal contra a Tailândia. “Se vencêssemos, garantiríamos o acesso”, recorda Hoyama.

 

Recompensa – “Todas as vitórias foram importantes, mas o terceiro jogo da Lígia foi o ponto chave. E, no último jogo da Carol, vencido por 3×2, após estar perdendo por 1×2, foi dramático, não tanto em relação às parciais, pois ela fechou em 11x 5 e 11×6, mas para comemorar esse feito histórico para o tênis de mesa feminino brasileiro”, conta Hoyama, lembrando que o feito foi muito comemorado, “mas pedi para elas, na final contra a Suécia, que jogassem da mesma forma até aquele momento, pois o título coroaria a nossa campanha”. “Não queria só o acesso”, disse.

E o título veio com um3 a0. “Essa campanha teve outra recompensa, a Carol, Lin e Lígia subiram muito no ranking mundial, Carol de 135 para 110, Lin de 195 para 133 e Lígia de 212 para 174. Somente a Jéssica caiu um pouco, de 191 para202”, explicou Hoyama, que como atleta chegou a 51ª posição no ranking mundial, sua melhor marca pessoal.

 

Meta – “Agora, temos que continuar lutando, claro, mas com pensamento de equipe de 1ª Divisão”. “A responsabilidade aumenta, e isso é bom, servirá de motivação para elas, com certeza”, afirma. E a próxima meta já está traçada. Em 2015, Hugo Hoyama pretende comandar a equipe feminina em busca de outro título inédito: a medalha de ouro dos Jogos Pan-Americanos, que serão realizados em Toronto, no Canadá.

“Esse é o nosso objetivo para2015. Acampanha no Japão deu mais motivação e confiança para a equipe. O mais importante é irmos atrás desse sonho passo a passo, como sempre fizemos”, diz Hoyama, destacando que “temos os pés no chão”. “Somos todos da equipe. Eu, desde que comecei a trabalhar com elas, me propus a ajudá-las a conquistar muito sucesso, como pude como atleta, passando alguns métodos, conversando bastante, e estou muito feliz por obtermos esses resultados até agora”, finalizou Hoyama.

(Aldo Shiguti)

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

104 ANOS DA IMIGRAÇÃO: Grupo discute Semana da Imi... Para marcar a Semana Cultural da Imigração Japonesa no Brasil, será realizada na Câmara Federal uma exposição sobre o tema. Sob a coordenação da Embai...
LONDRINA: Confira as atrações da 10ª edição do Lon...   O feriado da Independência do Brasil é comemorado nesta sexta (07) e uma excelente alternativa de lazer é aproveitar a 10ª edição do Londrin...
COMUNIDADE: Uces concretiza projeto ‘Um Milhão’ e ... Em meio à crise que o país atravessa, pelo menos uma entidade da comunidade nipo-brasileira não tem do que reclamar. Trata-se da Uces (União Cultural ...
RECIFE-PE: Recife recebe exposição internacional s...   A mostra é aberta ao público e acontece na Fundação Joaquim Nabuco, na Casa Forte   Depois de percorrer São Paulo e Curitiba, c...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *