TÊNIS DE MESA: Divisor de águas – Tóquio

Nem sempre “treinar tênis de mesa na Ásia” é sinônimo de se tornar um atleta de alto rendimento ou de seleção brasileira, como foram vários mesa-tenistas que obtiveram sucesso, desde a era Inokuchi, Kano, Hoyama, Kawai, Hanashiro, Tsuboi e outros.

 

Os brasileiros nas ruas da capital paulista (foto: arquivo pessoal)

Os brasileiros nas ruas da capital japonesa (foto: arquivo pessoal)

 

Porém, trata-se de uma grande chance para aprender, mudar e se transformarem em pessoas diferenciadas no nosso país, pobre de cultura, tradição e história de dignidade.

Valores como, respeito ao próximo, disciplina, honra, honestidade, ter compromisso, espírito de equipe, saber aguentar, ser paciente, ter cordialidade, delicadeza e educação são observados diariamente no Japão e convivendo com eles, pode-se aprender muito.

Aqui eles falam baixo, estão sempre pensando no próximo, pensam em qual lado seguir ao caminhar na rua, ao subir as escadas, quando gripados usam máscaras para não transmitir o vírus, tudo para ajudar o semelhante, usam movimentos suaves para não criar situações agressivas ou bruscas, que sinalizem uma ação ofensiva.

 

Marcos Yamada com Afonso, Samuel, Jessica, Enzo e Henri (foto: arquivo pessoal)

Marcos Yamada com Afonso, Samuel, Jessica, Enzo e Henri (foto: arquivo pessoal)

 

Ao chegar no Japao os atletas são bem orientados para se adaptarem nas diversas situações, por exemplo nos trens aguardar a saída de todos para entrar, posicionarem nas marcações de espera, para comprar o ticket preparar os valores antes de entrar na fila, otimizar o tempo nos restaurantes de alta rotatividade, receber o troco mesmo que seja 1 iene, ficar sempre ligado (“ki ga kiku”) para ajudar e solidariezar com os companheiros.

Aqueles que entenderem porque o Japao se tornou a 2ª potencia do mundo, depois de arrasado na 2ª guerra mundial, poderá ter um futuro melhor e ser diferenciado não pelo seu brilhantismo ou talento, mas sim por ser esforçado e sempre pensar diferente dos demais brasileiros.

Afonso, Samuel, Jessica, Enzo e Henri estão aproveitando bem esta chance, com uma árdua programação de treinamento e visitando os pontos mais importantes de Tóquio.

 

 

 

MARCOS YAMADA

MARCOS YAMADA

Engenheiro e Consultor Especialista em Tenis de Mesa
MARCOS YAMADA

Últimos posts por MARCOS YAMADA (exibir todos)

    Related Post

    VALE DO RIBEIRA: Catamarã Maratayama fará roteiro ... Desvendar a beleza do Mar Pequeno, assistir ao encontro do mar com o rio, navegar pela rica história do rio Ribeira de Iguape, principal artéria fluvi...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Por que não participar das...   Conforme afirmei na Nipônica anterior à da manifestação do dia 15 de Março, mesmo em meu círculo de amigos tinha um, do tipo “espírito d...
    AKIRA SAITO: HIERARQUIA “Estar acima ou abaixo de alguém não determina algo pejorativo, e sim, seu grau de responsabilidade” Em uma sociedade que prega constantemente a ig...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Chapa Dilma/Temer e Imigra... Com o mês de junho se iniciando, Mário reparou que Hiroaki estava muito preocupado com os acontecimentos da comunidade nipo-brasileira devido às comem...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *