TRÊS JOIAS: Série documental lança olhar inédito sobre o desenvolvimento do budismo no Brasil

Depois de “Streams of Light”, documentário de 2012 em que apresenta a história da Jodo-Shinshu nos Estados Unidos, dos missionários japoneses ao desenvolvimento da “Buddhist Churches of America” (BCA), o monge Kentaro Sugao lança nesta segunda-feira (18), a partir das 19h30, na Cinemateca Brasileira (zona Sul de São Paulo), o projeto “Três Joias”, uma série documental que lança um olhar inédito sobre o desenvolvimento do budismo no Brasil.

 

Três Joias aborda o desenvolvimento do budismo nas suas diferentes linhagens. Foto: divulgação

Três Joias aborda o desenvolvimento do budismo nas suas diferentes linhagens. Foto: divulgação

 

Com “Três Joias”, o olhar de Sugao se volta agora para a realidade brasileira, abordando o desenvolvimento do budismo nas suas diferentes linhagens – tibetana, sem e pura terra – destacando seus mestres – Shaku Riman (Ricardo Mário Gonçalves), Monja Coen, Lama Padma Samten, Enio Burgos, José Fonseca, Monge Dengaku, Monja Shoden – os ensinamentos e sua prática na vida cotidiana e as três joias do budismo: Buda, Darma e Sanga.

O primeiro documentário, “Os brasileiros que se tornaram mestres no budismo”, explora as impressões de importantes monges budistas brasileiros – Monja Coen (Zendo Brasil – SP), Lama Padma Samten (CEBB – budismo tibetano – RS) e Shaku Riman (Nambei Honganji – Terra Pura – SP) – sobre o budismo no país e as particularidades de sua prática. Por serem formados em diferentes tradições, os personagens abordados oferecem percepções diversas do budismo no Brasil ao mesmo tempo em que demonstram preocupação com a essência dos ensinamentos, convidando a uma viagem pela sabedoria do Buda e pela natureza búdica que todo ser possui.

O segundo documentário, “Em busca do despertar”, investiga como os brasileiros têm se conectado ao Darma – os ensinamentos budistas. Busca-se com isso revelar a riqueza dos ensinamentos do Buda e compreender as formas pelas quais o budismo é assimilado e internalizado pela sangha brasileira e interessados em geral. Explora-se o caminho percorrido pelos leigos que um dia se “despertaram” para o budismo e que, juntamente com os missionários budistas brasileiros, também contribuem para sua difusão.

O terceiro documentário, “Budistas na sociedade brasileira: vivendo juntos na diversidade”, examina as atividades sociais, culturais e científicas desenvolvidas pela Sangha – comunidade de budistas – e explora as perspectivas do diálogo inter-religioso. A partir da pergunta, “como a Sangha interage com o seu meio social?”, busca-se compreender as formas pelas quais o Darma – os ensinamentos do Buda – reflete-se nos trabalhos desenvolvidos pelas comunidades budistas no país, como essas comunidades se relacionam entre si e se e como dialogam com outras religiões e caminhos do espírito.

A programação inclui a exibição de “Streams of Light” e explicação da campanha de crowdfunding do projeto (financiamento coletivo ou “vaquinha coletiva”).

O evento é aberto e as vagas são limitadas a 180 lugares (por ordem de chegada)

A Cinemateca Brasileira fica no Largo Senador Raul Cardoso, 207 – Vila Clementino (SP)

Informações pelo telefone: 11/3512-6111

 

resized_projeto_3joias_cartaz

Related Post

SOLIDARIEDADE: Festa do Verde da Kibô-no-Iê une di...   A Sociedade Beneficente Casa da Esperança (Kibô-no-Iê) realiza a 34ª edição de sua tradicional Festa do Verde, cuja essência é o trabalho do...
LENTES DA MEMORIA – A DESCOBERTA DA FOTOGRAFIA DE ... Curadora: Adriana Maria Martins Pereira. Onde: Instituto Tomie Ohtake (Rua Coropés 88, Pinheiros) De 18/09 a 01/11/2015 Horário: de 3ª a domi...
COMUNIDADE: Lançamento de ‘Intercâmbio Cultural Br... Uma cerimônia singela, porém, revestida de grande importância não só para a comunidade nikkei, mas também para a sociedade brasileira, marcou o lançam...
MÚSICA: O cantor Joe Hirata fechou o ano de 2015 ... JOE HIRATA – O cantor Joe Hirata fechou o ano de 2015 como começou: com muito trabalho. No dia 12, o cantor esteve em São José do Rio Preto, no clube ...

One Comment

  1. Ademir Ferrer Soares says:

    Que benção, estudar, através das artes, o budismo seu perfil nas terras brasileiras, com todo seu tamanho continental, e sua diversidade de raças e credos !

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *