VALE DO RIBEIRA: Dona Ume Shimada ressuscita o cultivo do chá preto artesanal

Enquanto muitos fecharam as portas para o cultivo do chá no Vale do Ribeira, especialmente na cidade de Registro, a audaciosa e simpática Ume Shimada, de 88 anos, ressuscita sua plantação de chá em meio ao mato que cresceu. Desde os cinco anos de idade dona Ume, ou Elizabete – nome de batismo -, já tinha intimidade com o chazal, pois catava semente brotada para seu pai. Hoje ela é considerada a “Rainha do Chá”.

 

Dona Ume Shimada no laboratório do Chá Obaatian (Foto: Luci Judice Yizima)

Dona Ume Shimada no laboratório do Chá Obaatian (Foto: Luci Judice Yizima)

 

O Jornal Nippak foi conferir de perto no Sitio da Família Shimada, localizado no centro urbano da cidade de Registro para conhecer sua história e saber como ela espantou a crise que assolava a região. “Olhava para o chazal coberto de mato, fiquei muito triste, chorava de tristeza”, conta. “Um dia eu conversando com amigos da região, soube que poderia limpar e recuperar o chazal. Então, não perdi tempo fiz a limpeza, fui a busca de maquinários, comprei uma máquina de secar e uma máquina de moer chá que tinha lá em um ferro velho, e estamos produzindo chá a todo vapor”,  conta dona Ume, com uma disposição para encarar qualquer desafio, e ver as coisas pelo seu lado positivo.

De acordo com a dona Ume, por dia são colhidos 20 quilos de brotos de chá, toda a produção do chá é feita manualmente por ela. Os chás são feitos de brotos e folhas recém-emergidas, colhidas manualmente a cada duas ou três semanas de setembro a maio. Em três meses tem nova safra. Após a colheita, as folhas são espalhadas em grandes bandejas e deixadas para secar por períodos de tempo variados. Depois, elas são enroladas ou cortadas para liberar enzimas e, então, há a ‘fermentação’. Açúcares e taninos são liberados como os ‘fermentos’ do chá. Na verdade, esse é um processo de oxidação enzimática, pois não há formação de álcool. O processo é interrompido por aquecimento em certos estágios para produzir os diversos tipos de chá disponíveis.

 

(Foto: Luci Judice Yizima)

De acordo com a dona Ume, por dia são colhidos 20 quilos de brotos de chá, toda a produção do chá é feita manualmente por ela (Foto: Luci Judice Yizima)

 

“Com a ajuda dos meus filhos, netos e funcionários, resgatamos a cultura do Chá Preto, com a qual convivi ortodoxamente desde a minha infância. Antes colhia os brotos e repassava para a Fábrica Amaya, porém eles deixaram de comprar os meus brotos e mantém produção própria”, lembra dona Shimada. Sem ter para quem fornecer os brotos, decidiu abrir a própria empresa de chá artesanal denominada de Obaatian, criada pelos netos.

Além da produção do Chá, o Sítio Shimada também cultiva 600 pés da melhor e mais doce lichia do Vale do Ribeira que é comercializada em dezembro na Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo). A Família Shimada não para por aí, a filha Terezinha com quem dona Ume compartilha sua casa, produz biscoitos doces, nhoque de batata e mandioca, e também raviole e massas congeladas em geral.

 

 

Terezinha Shimada (filha, Ume Shimada e seu genro Aurelino (Foto: Luci Judice Yizima)

Terezinha Shimada (filha, Ume Shimada e seu genro Aurelino (Foto: Luci Judice Yizima)

 

World Travel Market – A empreendedora Família Shimada, de olho no Turismo Rural pretende abrir as portas do sítio para receber grupos previamente agendados, para fazer um passeio no chazal e mostrar sua cultura na arte de fazer chá. Durante a entrevista dona Ume se mostrou muito otimista com os negócios da família. “Será um prazer em receber grupos em minha propriedade e experimentarem o meu chá. Um orgulho ver o meu trabalho sendo apreciado por muitas pessoas, e fazendo o bem”, diz emocionada dona Ume.

Em abril passado, as famílias Amaya e Shimada – únicos produtores de chá do município de Registro, marcaram presença na WTM – World Travel Market – Latin America, o principal evento mundial do setor de viagens e turismo da América Latina. A participação foi efetivada através do Codivar (Consórcio Intermunicipal do Vale do Ribeira).

Realizada em São Paulo entre os dias 22 a 24 de abril, a WTM Latin America atraiu mais de 15 mil dos mais importantes executivos interessados no setor de viagens da América Latina. Na edição 2014, US$ 341 milhões foram transacionados, entre 1.300 expositores e cerca de 900 compradores. A feira faz parte do portfólio da Reed Travel Exhibitions, que inclui também a World Travel Market, o Arabian Travel Market e a World Travel Market Africa.

Durante o evento, que teve a finalidade de divulgar a América Latina para o mundo e vice-versa, as famílias Amaya e Shimada promoveram a degustação dos chás Amaya e Obaatian aos visitantes. A assessora de Turismo de Registro também estabeleceu contato com líderes importantes do Turismo no Estado, como o Secretário de Turismo, Roberto de Lucena, e Carlos Fernando Zuppo, da Aprecesp (Associação das Prefeituras de Estâncias Turísticas). “O secretário demonstrou grande interesse em contribuir com o crescimento do Turismo no Vale do Ribeira, uma região com grande diversidade de atrativos naturais e turísticos”, revela Maurízia. Em Registro, ela destaca a riqueza cultural e histórica propiciada especialmente pela imigração japonesa.

“Nosso município já chegou a ser a capital do chá, com mais de 40 fábricas de chá preto. Hoje, as famílias Amaya e Shimada lutam para manter viva essa tradição, que também pode ser um atrativo turístico junto com os casarões tombados como patrimônio histórico pelo Iphan”, explica Maurízia, lembrando que Registro é considerado o Marco da Colonização Japonesa no Estado de São Paulo, conforme o Decreto nº 50.652, de 30 de março de 2006, por ter sido a primeira localidade a receber imigrantes japoneses interessados em investir em produção própria no Estado.

Além de Maurízia, também representaram Registro na World Travel Market – Latin America: Milton Amaya, Disney Imasato, Aurelino Cruz e Bernadete Shimada Hamasaki.

(Luci Judice Yizima)

 


 

 

Vale do Ribeira viveu ‘época de ouro’ do chá preto

 

 

A região do Vale do Ribeira, no interior de São Paulo, era uma importante produtora de chá preto. Várias indústrias se instalaram pelo lugar para processar as folhas. A década de 80 foi considerada a época de ouro do chá preto no Vale do Ribeira, onde tinha sete fabricantes e mais de 1,5 mil produtores da cultura. Hoje, há apenas a fábrica de Amaya e Shimada que recebe matéria prima de apenas quatro produtores. Isso faz com que as máquinas fiquem cada vez mais tempo paradas. O alto custo de produção torna difícil encarar a concorrência do mercado internacional.

Um imigrante japonês começou a plantar chá em Registro em 1935. As mudas trazidas na época são preservadas pela família do imigrante como um símbolo da importância do cultivo. O ex-produtor Luiz Antônio Penteado, que teve plantação de chá por 15 anos, credita a decadência do plantio à valorização do real na década de 90.

Na antiga rota do chá em Registro ficaram fábricas fechadas e plantações perdidas. Justamente quando a produção do Brasil é pequena e não tem como atender o mercado externo, os principais produtores mundiais enfrentam problemas climáticos. O Quênia perdeu parte da produção por causa da seca e a Índia por causa das enchentes.

 

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

GASTRONOMIA: 11º KITAKATA LÁMEN MATSURI 11º Kitakata Lamen Matsuri - 21/Maio das 11h às 15h * Venham provar o lamen típico da província de Fukushima no 11º Kitakata La...
104 ANOS: Culto póstumo celebra os 104 anos da imi... Em memória póstuma aos imigrantes japoneses, foi celebrado no dia 17 de junho, na Associação Nikkei do Rio de Janeiro, culto pelo sacerdote Jyunsho Yo...
MUNDIAL DE CLUBES: Hino do Corinthians é cantado e...   Com jeitinho bem brasileiro, o hino de uma das maiores torcidas do Brasil, a do Timão ganha um tom delicado da terra do sol nascente pela du...
KOBUDÔ: 11º Torneio Brasileiro Individual será nes... Os praticantes e aficcionados por artes marciais, em especial à tradição guerreira dos samurais, podem agendar. O Sesc-Consolação, na capital paulista...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *