VISTO PARA YONSEIS: Para Walter Ihoshi, Japão ainda deve definir alguns critérios

Uma das bandeiras levantadas pelo deputado federal Walter Ihoshi (PSD-SP) junto à comunidade nipo-brasileira desde que reassumiu seu terceiro mandato na Câmara dos Deputados,em janeiro deste ano, a questão do visto de longa permanência também para os descendentes de japoneses da quarta geração, os chamados yonseis, foi um dos temas apresentados pelo parlamentar às autoridades japoneses durante a missão oficial àquele país, encerrada oficialmente nesta quarta-feira, 22.

 

Ihoshi destaca avanço na questão do visto para yonsei: ‘Mas não para agora’. Foto: arquivo pessoal

 

A convite do governo japonês, Ihoshi participou do Programa Juntos!! Intercâmbio Japão-América Latina e Caribe. Inspirado no discurso feito pelo primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe sobre a diplomacia japonesa para a América Latina e Caribe durante a sua visita a São Paulo, em agosto de 2014 – “Progredir juntos, liderar juntos e inspirar juntos” – o programa foi patrocinado pelo governo japonês e tem como objetivo aprofundar as relações entre os países e oferecer oportunidade para o intercâmbio de opiniões com alto escalão do governo e formadores de opinião daquele país, além de apresentar o Japão atual aos participantes.

Além de Ihoshi, a missão foi composta pelos também deputados federais Keiko Ota (PSB-SP), Hidekazu Takayama (PSC-PR), Marcos, Montes Cordeiro (PSD-MG) – líder do partido na Câmara dos Deputados –, Milton Monti (PR-SP) – secretário geral do Grupo Parlamentar Brasil-Japão –, Antonio Goulart (PSD-SP), João Paulo Papa (PSDB-SP) e Jorginho Mello (PR-SC), além do diplomata Eduardo Paes Saboia e a secretária Liliam Cruz Catunda.

Durante praticamente uma semana, a delegação brasileira cumpriu uma vasta agenda em solo japonês que incluiu encontros com autoridades japonesas, como o vice-primeiro ministro, ministro das Finanças e presidente da Liga Parlamentar Japão-Brasil, Taro Aso; o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Kentauro Sonoura; com o vice-ministro parlamentar dos Negócios Estrangeiros, Shunsuke Takei; visitas a escola brasileira “Mundo de Alegria”, em Hamamatsu, e a empresas como a NEC. Em Hamamatsu, o grupo se reuniu com representantes da comunidade brasileira local.

“Eles nos apresentaram uma pauta contendo 9 reivindicações, sendo que a primeira delas diz respeito ao Espaço do Trabalhador Brasileiro (ETB), uma parceria dos Ministérios do Trabalho e Emprego e das Relações Exteriores cujo objetivo é apoiar os trabalhadores emigrantes no Japão sobre os seus direitos no país. Trata-se de um espaço importante para os brasileiros de Hamamatsu e região por oferecer diversos serviços, como orientação jurídica, mas atualmente sofre com a falta de recursos”, disse Ihoshi, afirmando que, “em breve estaremos marcando uma audiência com o ministro do Trabalho para discutir esta situação”.

 

Comitiva brasileira que esteve em missão oficial ao Japão em frente ao Parlamento japonês. Foto: Arquivo Pessoal

 

Visto – Outro tema que, apesar de não estar na agenda oficial mereceu atenção do parlamentar foi a questão do visto para yonseis. Segundo Ihoshi, que esteve em visita àquele país em outubro do ano passado quando participou da comitiva oficial do presidente Michel Temer (PMDB) e como convidado da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), “esta questão esquentou no Japão”. Segundo ele, o que contribuiu para alimentar as esperanças dos yonseis foi um pronunciamento do primeiro-ministro Shinzo Abe no Parlamento Japonês.

Questionado por um parlamentar japonês, Abe, que inicialmente não falaria sobre o assunto, disse que o governo japonês estaria apoiando esta iniciativa do visto para os yonseis. “Este posicionamento gerou uma repercussão muito grande dentro da comunidade, sobretudo entre os yonseis, que ficaram ansiosos com essa possibilidade”, disse Ihoshi, que desde o início procurou apoiar o movimento, que conta com iniciativa das cinco principais entidades nipo-brasileiras – Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social), Kenren (Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil), Enkyo (Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo), Aliança Cultural Brasil-Japão e Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil, além do Ciate (Centro de Informação e Apoio ao Trabalhador no Exterior) na tentativa de sensibilizar o governo japonês.

 

Ihoshi com o vice-primeiro ministro, Taro Aso. Foto: Arquivo Pessoal

Consenso – “Nas audiências que tive com o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, que no Brasil equivale ao Ministério das Relações Exteriores, Kentauro Sonoura, coloquei essa questão e também sobre a situação do tratado de livre comércio e investimentos com o Japão”, explicou. Apesar do tempo escasso, Ihoshi disse que Sonoura estava ciente do assunto. “Ele não entrou muito em detalhes mas deu a entender que o governo japonês já está analisando a questão. Diferentemente da última vez que estive no Japão, quando as autoridades – incluindo parlamentares – ainda não estavam a par da situação, pelo menos desta vez o vice-ministro sinalizou que o governo já esta estudando”, destacou o deputado, acrescentando, porém, “que a decisão ainda deve demorar um pouco”.

 

 

Comitiva brasileira em visita à NEC. Foto: Arquivo Pessoal

 

Consenso – “Trata-se de um assunto que ainda vai levar algum tempo. Em 2018 ainda enfrentaremos este processo. É claro que, neste momento, o que estamos vendo no Japão é uma ligeira recuperação da economia, sobretudo das empresas exportadoras, que estão contratando mão de obra. E o Japão, como todos nós sabemos, precisa desta mão de obra, e a mão de obra brasileira é apreciada. Sabemos também que a característica dos japoneses, tanto do povo como do governo, é que essas situações, até certo polêmicas, sejam resolvidas através de consenso. E acredito que este tema ainda está longe de ser um consenso dentro do próprio governo”, diz Ihoshi, afirmando, no entanto, que “acredita em uma solução”.

“O clima, agora, é diferente. Mas falta ainda, por exemplo, encontrar soluções para alguns critérios que eles devem estipular. Quando essas arestas forem aparadas e esse diãlogo com a gente for aberto, aí então acredito que o impasse estará próximo de um desfecho. Mas acredito que vai passar o ano todo para que nós possamos efetivamente ter um resultado”, diz Ihoshi, que se colocou à disposição para ser o “porta-voz” desse diálogo entre os governos brasileiro e japonês.

 

Delegação também se reuniu com o embaixador do Brasil. Foto: Arquivo Pessoal

 

Avanço – “O importante é que o assunto avançou e o diálogo já está acontecendo. O vice-ministro parlamentar dos Negocios Estrangeiros vai nos manter informado”, destacou o parlamentar, acrescentando que “minha meta pessoal é que 2018, quando serão comemorados os 110 Anos da Imigração Japonesa no Brasil,  seja realmente um marco para esse tema”, disse Ihoshi, afirmando ainda que os parlamentares que participaram da missão, tanto os que já conheciam como aqueles que foram pela primeira vez, ficaram “impressionados” e “sensibilizados” com as questões levantadas pela comunidade brasileira residente no país.

“Podemos dizer que a partir de agora essa luta ganhou o apoio de todos os parlamentares que estiveram no Japão”, garantiu Walter Ihoshi.

 

ALDO SHIGUTI

ALDO SHIGUTI

Redator-chefe
ashiguti@uol.com.br
ALDO SHIGUTI

Últimos posts por ALDO SHIGUTI (exibir todos)

     

    Related Post

    SUMÔ/ESPECIAL: Confira os resultados do 54º Campeo... Por Aldo Shiguti   Equipe Sudoeste conquistou o título de campeã geral (Foto: Aldo Shiguti)   Torneio Individual Feminino  ...
    HAICAI BRASILEIRO O Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Matsuo Bashô...
    DESABAMENTO: Desabamento de um Prédio na Avenida L...   O desabamento de um prédio em construção na altura do número 700, da Avenida Liberdade ontem à noite (28/02), o auxiliar de limpeza Marco An...
    SOLIDARIEDADE: Campanha em prol das vítimas dos te... A Campanha de Solidariedade às Vítimas dos Terremotos de Kumamoto - “Jantar Solidário com Pirarucu”, lançada pelo Rancho da Traíra (Unidade Vila Maria...

    2 Comments

    1. Nei Luiz A. de Oliveira says:

      meu nome é Nei Luiz sou líder do PSC aqui em Wenceslau Braz no norte pioneiro do Paraná, funcionário publico, Radialista e casado com descendente de Japonês minha esposa é Nissei já vivi no Japão de onde nunca devia ter saído, tenho uma filha lá na terra do sol nascente, e um filio conosco aqui no Brasil o qual é yonsei torço para que seja liberado em breve o visto de longa estadia para yonsei assim irei com filho esposa daqui do Brasil e ficaremos todos juntos com nossa filia que já está por lá gostaria muito de investir lá na minha profissão que é Radialista (comunicação)

    2. Que coisa humilhante. Promover a debandada de jovens brasileiros para fazer trabalho sem qualificação em outro país. O Brasil vai necessitar desse jovens para sair do buraco em que se encontra. Walter Ihoshi , o senhor vai entrar para a história como o traidor da pátria brasileira ao defender os interesses do capital japones ávido por mão de obra barata. #prontofalei

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *