ERIKA TAMURA: Dilma cancela viagem ao Japão

Acabo de chegar em terras nipônicas e o que eu vejo não me agrada nada. Noticiários japoneses falando sobre o cancelamento da viagem da Presidente Dilma ao Japão. O segundo cancelamento, aliás! (Dilma já cancelou uma viagem em 2013 por causa das manifestações).

Digo que essa notícia não me agrada em nada porque, o cancelamento se deu na última hora, e o Japão com todas as suas tradições cerimoniais, já havia preparado uma recepção pomposa. É claro que a realidade econômica e política brasileira não está favorável a nenhum quadro de viagens internacionais presidenciais, mas já que foi ao COP 21 em Paris, poderia vir ao Japão, mesmo porque a viagem ao Japão poderia ter um resultado economicamente favorável, visto que já havia na pauta a possível assinatura de acordos bilaterais, e mais ainda, a possível aquisição de mais investidores financeiros.

A verdade é que existem dois lados e duas medidas, mas aqui do lado japonês, esse cancelamento criou um mal estar diplomático sem precedentes.

A comitiva de Dilma era composta por 60 empresários e entidades ligadas a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos. A presidente apresentaria aos empresários e governo japonês o PIL (Plano de Investimento em Logística), tentando atrair maiores investimentos japoneses para a área de infraestrutura do país, nessa categoria o governo brasileiro conta com um aliado forte, a Mitsui, uma das empresas japonesas que mais investem no Brasil. Além do que, existia uma expectativa muito grande da presidente anunciar a suspensão do embargo a carne bovina, pois o Japão proíbe a entrada de carne bovina no país, por  motivo de febre aftosa, o que acho um equívoco, pois a febre aftosa está controlada e erradicada no Brasil, através do uso de vacinas, o que o Japão não admite. Pois acho melhor o uso de vacinas num modo preventivo, do que deixar sem vacinas e correndo o risco de uma contaminação.

O mal estar provocado pelo cancelamento, cria um certo constrangimento de nós brasileiros que vivemos no Japão, com o governo e o povo japonês. Aqui no Japão é tudo muito rigoroso e cheio de regras, não pode atrasar, não pode isso, não pode aquilo… Agora imaginem cancelar uma visita assim, na última hora, ainda mais que o embaixador japonês do Brasil, veio para o Japão, mais precisamente em Tóquio especialmente para os preparativos da vinda da Dilma e sua comitiva.

Jantares suntuosos, coquetéis, reuniões, palestras, negócios e mais a visita ao imperador, foi tudo meticulosamente planejado e orçado com todos os detalhes pelo governo japonês, e agora?

Sei que o momento não é propício para viagens internacionais, mas se olharmos bem, nunca houve um momento propício para tal. Sempre acho que há outras prioridades essenciais dentro do Brasil, mas a viagem ao Japão renderia alguns frutos, não tenho dúvida disso.

Não sei se haverá uma terceira tentativa, quem sabe…

 

 

ERIKA TAMURA

ERIKA TAMURA

nasceu em Araçatuba e há 18 anos mora no Japão, onde trabalha no Serviço de assistência aos brasileiros no Japão da Ong chamada Sabja

E-mail: erikasumida@hotmail.com
ERIKA TAMURA

Últimos posts por ERIKA TAMURA (exibir todos)

     

     

     

    Related Post

    SILVIO SANO: Primeiro Emprego Recentemente, li uma matéria que me chamou a atenção sobre estudantes conquistando o primeiro emprego com projetos de faculdade, e que me remeteu a um...
    PROMISSÃO: Aniversário da morte de Shuhei Uetsuka,...   O prefeito de Promissão, Hamilton Luiz Foz, deposita coroa de flores no túmulo de Shuhei Uetsuka, no cemitério local, no dia 6 de julho,...
    ERIKA TAMURA: Joso, enchente no Japão aflige os br... Durante 17 anos, morei em Joso, na província de Ibaraki no Japão. E foi com muita dor no coração que acompanhei pela TV todo o drama vivenciado, d...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Debate no Bunkyô? Ok! Vamo...   No embalo dos debates iniciados, pra valer, pelas principais emissoras de televisão, provavelmente mal acompanhados pela comunidade nikkei, ...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *