HAIKAI BRASILEIRO:

Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Matsuo Bashô (1644-1694). O haicai caracteriza-se por descrever, de forma breve e objetiva, aspectos da natureza (inclusive a humana) ligados à passagem das estações. Hoje, no mundo inteiro, pessoas de todas as idades e formações escrevem haicais em suas línguas, atestando a universalidade dessa forma de expressão.

 

Envie seus haicais (no máximo três de cada tema sugerido) digitados ou em letra legível, com nome (mesmo quando preferir o uso de pseudônimo), endereço e RG.

Cada pessoa pode participar com apenas uma identidade.

A seleção dos trabalhos é feita pelos haicaístas Edson Kenji Iura Francisco Handa.

 

 

Envie suas cartas para:

Haicai Brasileiro

A/C Jornal Nippak

Rua da Glória, 332

CEP 01510-000 São Paulo-SP

E-mail: jornaldonikkey@yahoo.com.br

Cc. ashiguti@uol.com.br

 

 

TEMAS DE DEZEMBRO

 

 

HAICAI-11DEZ

 

Piracema – Saracura – Rosa

 

 

toda prosa a netinha –

uma rosa no cabelo

e lindo sorriso

Amauri Solon | Rio de Janeiro, RJ

 

Contra a correnteza

em saltos e sobressaltos –

Sobe a piracema!

Benedita Azevedo | Magé, RJ

 

O vento que passa

sobre as rosas do jardim…

Suave perfume!

Benedita Azevedo | Magé, RJ

 

sol esmaecido –

às margens do banhado

saracuras caçam

Carlos Viegas | Brasília, DF

 

faz parte da vida

nadar contra a corrente –

viva a piracema!

Carlos Viegas | Brasília, DF

 

Namorado trêmulo…

ao levar buque de rosas

Machuca seus dedos.

Guin Ga Eden | Niterói, RJ

 

Chega a piracema…

Comida farta no rio

aproveita a ave.

Iraí Verdan | Magé, RJ

 

Seca da nascente –

ciclo rompido da vida.

Sem piracema.

Irene M. Fuke | São Paulo, SP

 

a chuva passou

o canto da saracura

teima na tardinha

José Marins | Curitiba, PR

 

outro vendaval –

ainda pude exclamar

que rosa tão bela

José Marins | Curitiba, PR

 

Muito raso o rio –

Aridez sem precedente

sofre a piracema.

Mário Isao Otsuka | São Paulo, SP

 

Multidão no Templo –

rosa ofertada preenche

minhas mãos vazias

Neide Rocha Portugal | Bandeirantes, PR

 

Raleio na mata –

saracura só espreita

a minha marmita

Neide Rocha Portugal | Bandeirantes, PR

 

casamento no sítio –

sobre o branco do vestido

o buquê de rosas

Regina Alonso | Santos, SP

 

Entre espinhos

no jardim da alma a

rosa responde

Rogério Alves de Carvalho | Uberlândia, MG

 

Rosas em cores

Em diversos vasilhames

Enfeitam jazigos.

Yone | São Paulo, SP

 

Já amareladas

As fotos da piracema

De tempos atrás.

Zekan Fernandes | São Paulo, SP

 

Numa esquina escura

Rosas vermelhas no chão

E o nome de alguém.

Zekan Fernandes | São Paulo, SP

 

 

 

Temas de fevereiro/2015 (postar até 10 de janeiro)

Pernilongo – Carambola – Confete

Temas de março/2015 (postar até 10 de fevereiro)

Águas de março – Gafanhoto – Manacá

 

============================================================

 

 

Primeiros passos do haicai (4)

Francisco Handa

 

 

Para ser um bom haicaísta, deve-se ser um observador constante, um interessado nas emoções humanas, principalmente dele próprio e a relação com o ambiente físico, social e cultural. Não se trata de um exercício de introspecção, em que a composição se realiza num campo metafísico e, portanto, da idealização. Se assim fosse, comporíamos apenas aquilo que fosse permitido pela moral, pelos princípios elevados, pelo bom e belo. Nada disso tem validade, em se tratando do haicai.

O haicai deve ser buscado na realidade das ruas, nos becos sem saída, no burburinho das festas populares, no sagrado e no profano. Tudo pode ser assunto de haicai sem discriminação. Pode-se falar nos pontos das prostitutas, nos velórios, carnavais, quaresma e semana santa. Seria recomendável que o haicaísta conhecesse estes locais (ou assuntos) para compor a respeito. Temos, claro, uma memória a respeito. Pode ser usada para tal fim. Mas reforçar esta memória através da repetição da experiência seria apropriado. Toda composição que minimiza a experiência é prejudicial. Não se escreve sobre que se desconhece.

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

AKIRA SAITO: Equilíbrio II Já diziam os ditados: “A mente domina o copo” e “Mente sã, corpo são”. Para se ter o equilíbrio perfeito que buscamos, é necessário que haja também...
AKIRA SAITO: FOCO NO OBJETIVO “As circunstâncias moldam o meio, o foco molda o resultado”   Se perguntarmos a uma gama de pessoas se elas buscam um objetivo, provavelmente...
BEM ESTAR: Re-significando a vida Muitos já iniciaram o processo de re-significação da vida, aqui na clinica.   Objetivo : Tornar puros, eliminando as máculas adquiridas ...
ERIKA TAMURA: O uso consciente da água pelos japon...   Recebei um e-mail do Sérgio Teixeira, repórter da Folha da Região de Araçatuba, e achei bastante interessante a abordagem e sugestão do tema...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *