JAPÃO/COMUNIDADE BRASILEIRA: Brasileiro é recebido pelo prefeito da cidade de Iwata

 

Faixa preta em Brazilian Jiu-jítsu, categoria até 76kg, o paulista Roberto Satoshi de Souza, 22, residente em Iwata, província de Shizuoka, foi recebido no dia 12 de julho pelo prefeito Osamu Watanabe, como cidadão ilustre do município.

Vestido com quimono de luta e trazendo suas medalhas conquistadas recentemente, no World Jiu-Jitsu Championship, Abu Dhabi World Professional Jiu-Jítsu Championship e European Jiu-Jítsu IBJJF Open Championship, o atleta conversou com o prefeito sobre sua vida dedicada ao esporte, seus torneios conquistados e sobre a academia, na qual é o instrutor.

 

Prefeito Watanabe recebeu Satoshi de Souza como cidadão ilustre da cidade (Foto: Osny Arashiro/Divulgação)

 

O prefeito disse que quando criança praticou judô, “mas não era forte” e perguntou se no jiu-jítsu também se pratica o kata (conjunto de técnicas fundamentais, demonstradas através de movimentos simulados). Satoshi respondeu que não, pois os golpes são diferentes; “o jiu-jítsu parece com o judô, porém lutado no chão”, explicou.

“O Brasil hoje está chamando bastante a atenção do mundo, pelo seu sucesso na economia”, lembrou o prefeito, “você não pensa em voltar para o Brasil?” Satoshi responde não, pois os japoneses valorizam muito o seu trabalho e ele fica feliz por isso.

O prefeito solicitou a Satsohi que ele continue sendo um modelo de esforço e perseverança para as crianças, principalmente àqueles que abandonam os bancos escolares e seguem caminhos errados. “O que vai ser dessas crianças que não frequentam as escolas?”, perguntou o prefeito. “Então gostaria que você emprestasse essa sua força para todos segui-lo como exemplo.”

Satoshi é da opinião de que se uma família for ficar no Japão, o melhor é matricular suas crianças em uma escola japonesa. Ele também expressou sua felicidade em ouvir palavras de elogios do prefeito e prometeu fazer o seu melhor. “Uma pessoa da sua importância, reconhecendo o meu trabalho, é muito gratificante para mim.” Ao final da audiência, prefeito e atleta brincaram de queda de braço e posaram para fotos.

 

Prefeito Osamu Watanabe (esq.) admira as medalhas conquistadas pelo atleta brasileiro Roberto Satoshi de Souza (foto: Osny Arashiro/Divulgação)

 

 

Campeão – Satoshi começou cedo, aos cinco anos já rolava no tatami com a família praticando judô e depois jiu-jítsu. Em 2007, aos 18 anos, por ter conquistado o título mundial na faixa-azul, Satoshi recebeu um convite da fabricante de quimonos Bull Terrier para vir lutar em Tóquio, no evento Deep X GP e sagrou-se campeão.

Satoshi tinha visto de permanência e acabou ficando no Japão para atingir seus objetivos. Trabalhou em fábrica durante um ano e abriu uma academia em sociedade com o irmão Marcos. Posteriormente, com a parceria da Bull Terrier, os irmãos abriram uma segunda unidade, e hoje a Academia Bonsai funciona em Iwata e em Hamamatsu (Hamakita), e os irmão se dedicam totalmente às academias.

Na unidade de Iwata, cerca de 80% dos alunos são brasileiros, enquanto em Hamamatsu acontece o contrário, a maioria é de japoneses. “Gosto muito de treinar as crianças japonesas, pois também aprendo mais o idioma japonês com elas, porque falam de forma mais simples”, afirma Satoshi, que também se aprimora no idioma estudando pelo método Kumon.

Por onde disputou torneios, em Abu Dhabi (Emirados Árabes), Europa, Estados Unidos, Japão, Satsohi conquistou medalhas. “No Japão não há um brasileiro radicado que conseguiu os títulos que conquistei”, afirma Satoshi. “Moro e treino no Japão, sou brasileiro representante do Japão e quando vou ao exterior, os atletas se assustam quando digo que sou do Japão e quero mostrar que o jiu-jítsu daqui também é forte”, explica.

“Treinamento você busca, não será a academia que vai fazer você campeão, não é o lugar ou quem está à sua volta, que fará de você um campeão; você se faz um campeão por esforço próprio”, essa é a filosofia de Satoshi.

“Fico feliz quando conquisto um título e as pessoas ficam sabendo que sou um brasileiro que vive no Japão. Os japoneses torcem por mim e ficam felizes quando ganho, porque também represento o Japão.”

Aos 22 anos de idade, Satoshi segue alimentando sonhos: “quero conquistar o Mundial na minha categoria, que não consegui esse ano e quem sabe, mais adiante, lutar MMA (Artes Marciais Mistas) no UFC”.

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

HOMENAGEM: Aurélio Nomura entrega Título de Cidadã... Cerimônia de entrega do título de Cidadão Paulistano ao médium João de Deus. Foto: arquivo pessoal No último sábado, 24 de junho, dia em que João ...
ANDRADINA: Jamil parabeniza Ihoshi por projeto que... O prefeito Jamil Ono (PT) esteve no gabinete do deputado federal Walter Ihoshi (PSD-SP), em Brasília, para parabenizá-lo pela aprovação do projeto que...
JAPÃO: Cidade japonesa de Nagasaki completa 68 ano... Nagasaki relembra os 68 anos da Bomba Atômica, fazendo o apelo para o desarmamento de armas nucleares. (foto: divulgação)   A cidade japon...
DOCUMENTÁRIO: ‘Queria fazer um documentário sobre ... Considerada uma das maiores cineastas brasileira dos últimos tempos, pela sua obra, pelo seu pensamento, Tizuka Yamasaki fez um documentário sobre a “...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *