SILVIO SANO > NIPÔNICA: O futebol da terra do beisebol na terra do… futebol!

 

 

A partir da 4ª série do 1º grau, no Japão, os alunos são obrigados a praticar alguma atividade extra-curricular, dentro da própria escola de período integral, nos chamados clubes, ou kurabus, com orientadores, na maior parte, formados pelos próprios professores. Assim, tem os do beisebol, futebol, basquete, vôlei, natação, música, etc., mas também da literatura, música e até da comunicação (rádio).

Devido ao espírito competitivo do japonês no que se refere a mercado de trabalho, a maioria dos pais procura induzir os filhos a praticarem algo, desde cedo, mas que lhes possa dar retorno no futuro. Por isso, até há pouco tempo, o clube beisebol era o mais procurado. Pela popularidade e altos salários que os atletas profissionais recebem. Assim como no futebol, pelo mundo.

E isso é bom porque, lá, a escola é o grande celeiro dos futuros craques profissionais. No caso do beisebol, por exemplo, o campeonato colegial nacional chega a dar mais “ibope” do que muitos clássicos profissionais. O país inteiro acompanha!… mas não para!! Por isso, as escolas investem muito em alunos potenciais oferecendo-lhes bolsas de estudo… e “olho gordo” às frequências ou aproveitamento nas aulas.

Mas o futebol abocanhou grande parte desse filão e já é uma ameaça ao reinado do beisebol. Ainda mais agora, com a recente conquista pela seleção feminina de futebol do mundial sub-17, na sequência da adulta, na penúltima edição.

Já tinha captado essa futura popularidade quando meu filho jogava no time da escola onde frequentou, naquele país. A J-League nem existia ainda. O crescente interesse tinha a ver com as altas despesas para a prática do beisebol, mas também pela chance maior de o menino conseguir um lugar no time de futebol, que são onze jogadores, neste, contra nove, naquele; além da diferença da dinâmica entre os dois esportes e, agora, claramente, até da torcida.

Somado a isso, a equiparação salarial consolidou de vez a prática do futebol no País. O futebol masculino anda não chegou ao auge global, mas pelo curto tempo de profissionalismo, proporcionalmente, deve ser o país que mais evoluiu neste esporte. Logo mais terão a chance de provar isso, e já começaram bem. É o primeiro país a se classificar para o Mundial no Brasil!

 

Futebol peralta

Na terra do beisebol

Quer muito mais!

 

 

 

 

 

 

Silvio Sano

é arquiteto e escritor. E-mail: silviossam@gmail.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

ERIKA TAMURA: Mulheres Felizes   O artigo da semana passada foi um sucesso, total! Recebi muitas mensagens falando sobre o tema, e como falei sobre mulheres fortes pelo mund...
JORGE NAGAO: E Eu Aqui (Inveja)   Final de verão, Fernanda trabalha duro, morrendo de inveja de quem está curtindo as férias. "Milhares de pessoas, entre elas a Teresa, es...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Fim do Karaokê do Rojin Kais... Por falta de cantores da terceira idade, maiores de 60 anos, o último torneio foi a 36ª edição, em 2014, em Bauru. O torneio era rodiziado. Em cada an...
JORGE NAGAO: “Nihonjin” conquista o Jabuti   No dia 21 de setembro, parabenizei Oscar Nakasato por estar entre os dez finalistas na categoria romance do Prêmio Jabuti, da Câmara Brasile...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *